24. Sep 2019 | Finanças

Porque o fluxo de caixa é importante para o seu negócio?

Quando se inicia um novo projeto, é fundamental que o empreendedor tenha o controlo e a capacidade de avaliar as entradas e saídas do negócio, de modo a conseguir garantir que cumpra com todas as suas obrigações. Por isso, o fluxo de caixa (ou cash flow) é uma ferramenta é imprescindível para fazer a gestão financeira eficaz da sua empresa.

fluxo de caixa
O fluxo de caixa reflete os resultados das decisões de gestão financeira de um negócio e serve como base para a tomada de decisões a curto e longo prazo. (© Pexels)

Quer saber mais sobre a importância do fluxo de caixa para o sucesso dos seus projetos? Venha daí!

O que é um fluxo de caixa?

O fluxo de caixa é uma ferramenta de gestão que regista as entradas e saídas de capital de um negócio. É um útil instrumento de controlo para acompanhar de forma rigorosa a situação financeira da empresa num determinado período de tempo.

Para o cálculo do fluxo de caixa considera-se o saldo inicial, as receitas, as despesas e o saldo final. Toda e qualquer entrada ou saída precisa ser registada para que o resultado seja realmente condizente com a movimentação de capital e reflita o estado real do negócio.

Qual a sua importância?

O cálculo das entradas e saídas financeiras da sua empresa é o que vai definir o seu dia a dia e ajudá-lo a tomar as melhores decisões para a sua empresa, sem colocar o seu negócio em risco. E é por isso que o fluxo de caixa é fundamental no controlo das suas despesas, independentemente da área em que atua.

Como fazer um fluxo de caixa

Além das despesas e receitas, o orçamento disponível também deve ser considerado hora de elaborar o relatório do fluxo de caixa. Por isso, deve conter também, os valores respeitantes a investimentos ou empréstimos, se estes ocorrerem.

O fluxo de caixa costuma contar com uma área reservada aos valores previstos, ao lado dos já realizados. Nos previstos, deve inserir qual é a estimativa de entrada ou saída para o período em análise. No realizado, registe o que de fato ocorreu, quer como saída ou entrada de capital.

Se não tem qualquer conhecimento sobre o fluxo de caixa, existem inúmeros templates em Excel, disponíveis online, que o podem ajudar a começar. Contudo, tenha em atenção a importância de adquirir um programa de faturação para o efeito, que guardará os seus dados de forma segura e online, sem o risco de ficar com todos os registos comprometidos por ver o seu ficheiro danificado.

Tipos de fluxo de caixa

Existem diversos tipos de fluxos que caixa que pode operacionalizar para a sua empresa. São eles:

Fluxo de caixa operacional

Trata-se do fluxo produzido pelas despesas e receitas de um negócio num determinado período e mostra os resultados alcançados no negócio e a variação no capital. No entanto, não contempla os investimentos ou a necessidade extra de capital.

Fluxo de caixa direto

Regista as entradas e saídas das atividades operacionais sem realizar qualquer abatimento, abrangendo a forma bruta dessas mesmas operações. As entradas e saídas são organizadas em classes de acordo com as suas características, como pagamento de clientes, pagamento de fornecedores, etc. A sua principal vantagem é ter as informações disponíveis diariamente, de forma atualizada.

Fluxo de caixa indireto

Este fluxo não se fundamenta diretamente na análise dos fluxos de caixa, mas nos ganhos e perdas do exercício da atividade, ajustado e atualizado por dados referentes aos bens itens económicos, amortização e mudanças no património da empresa. É feito através de balanços patrimoniais referentes ao início e ao final de um determinado tempo e outras informações contabilísticas. Apesar da simplicidade de cálculo, está sujeito a imensas distorções da realidade.

Fluxo de caixa projetado

É uma aproximação que permite ao dono da empresa planear suas próximas diligências e investimentos relativamente à empresa, com base nos resultados obtidos. Permite analisar as entradas e saídas, fazer uma média e projetá-la para produzir uma visão futura do negócio, o que pode ajudar o empreendedor quanto à realização de pagamentos e recebimentos para constituir o negócio, efetuar acertos na administração de recursos, estancar perdas e conseguir um resultado financeiro mais favorável e, ainda, planear investimentos para a expansão do negócio.

Fluxo de caixa livre

O fluxo de caixa livre mede a aptidão que o negócio tem de gerar capital em curto, médio e longo prazo, mostrando o saldo da confrontação com o fluxo de caixa operacional. Para fazer o fluxo de caixa livre são necessários dois relatórios: um que reflita os resultados pelo período de 60 a 90 dias e outro que apresente a estimativa para um prazo de 2 a 5 anos. Este tipo de fluxo é útil para examinar o efeito esperado e, em caso de balanço positivo, analisar prováveis investimentos, traçar novas estratégias, ou reverter um quadro negativo e alcançar maior saúde financeira no negócio.

Fluxo de caixa descontado

Este é um fluxo que demarca o valor de uma empresa e costuma ser usado no processo de compra e venda de um negócio ou no caso de uma eventual fusão da sua empresa, para calcular o retorno do capital investido ou para a captação de investidores. É presumido a partir da projeção do fluxo de caixa para um determinado período futuro, deduzindo uma taxa referente a eventuais riscos de investimento e o valor residual dos ativos (que corresponde ao valor estimado no final da sua vida útil) e o cálculo da importância financeira da empresa.

Fluxo de caixa para investimentos

Quando um negócio está a correr bem e todos os pagamentos estão em dia, muitos empresários pensam em empregar novos subordinados e expandir a sua empresa. Nessas alturas, é essencial que haja capital suficiente para o efeito, e que o mesmo possa ser direcionado sem comprometer a normal atividade da empresa. É um fluxo de caixa necessita acompanhar de perto todas as actividades financeiras realizadas para gerar efeitos positivos e acumular riqueza.

Como vê, existem diversos tipos de fluxos de caixa. Cada um deles deve ser utilizado conforme cada situação e necessidade específicas.

Como fazer o controlo do fluxo de caixa

O controlo do fluxo de caixa pode ser feito através de uma tabela de Excel ou de um software desenvolvido especificamente para esse efeito, que pode agilizar o processo de cálculo. Contudo, o fluxo de caixa deve ser atualizado constantemente, conforme vão surgindo novas despesas e receitas. De acordo com a necessidade e a área de atuação do negócio, o relatório pode ser atualizado diária, semanal, quinzenal ou mensalmente.

É, portanto, essencial que o empresário crie uma verdadeira base de dados sobre o seu negócio e que analise frequentemente essas informações, principalmente quando pretende fazer uma nova aquisição ou investimento, para avaliar a sua viabilidade. Daí a sua importância em prol da administração do negócio.

O que é uma demonstração de fluxos de caixa (DFC)?

A partir do controlo do fluxo de caixa, o gerente pode ter uma visão explicita e realista do movimento de capital do empreendimento. Esse relatório constantemente atualizado pode avaliar, por exemplo, quando é que o negócio foi realmente proveitoso num determinado período de tempo. Isto porque o fluxo de caixa lhe dá um panorama geral sobre a movimentação financeira da sua empresa, tendo em consideração os gastos, que no caso de terem um valor aproximado às receitas, revela que, na verdade, o ganho não foi tão elevado quanto imaginava. Isto vai ajudá-lo a repensar o seu negócio e a vê-lo com outros olhos, com base numa informação real sobre o estado da sua empresa.

O registo do fluxo de caixa permite que haja um controlo financeiro na empresa, para que sejam cumpridos os encargos do negócio. A demonstração de fluxos de caixa é essencial, também, para calcular se num determinado período a empresa operou ou não sobre uma boa gestão financeira, pois é ele que garante a supervivência do negócio e a economia de recursos. Nesse relatório pode encontrar ainda, por exemplo, a necessidade de um acerto dos preços ou da realização de promoções para escoar o material que não está a ser vendido, e que implicará para o futuro uma estagnação a dinâmica do negócio.

Estudando os dados das entradas e saídas, também é exequível ter um conhecimento aprofundado sobre os recursos financeiros de que dispõe e reconhecer a necessidade de um investimento que provenha do exterior, de um empréstimo ou de uma tentativa de diminuição de custos.

O controle do fluxo de caixa é, assim, imprescindível para que o empresário saiba como atuar em momentos de complexidade financeira e evite desfechos mais drásticos para o seu negócio. É uma ferramenta que o ajudará na hora de planificar cenários, fazer conjeturas e quem sabe até adiantar a necessidade de adotar determinadas ações para amenizar os momentos mais críticos.

O seu negócio depende de um fluxo de caixa saudável

O fluxo de caixa reflete os efeitos das decisões da administração financeira de um negócio. Ele deve auxiliar na tomada de resoluções a curto e longo prazo. Através da sua observação é possível planear os próximos passos e definir estratégias de crescimento.

Tente, por isso, manter um rigor no controlo das entradas e saídas da sua empresa e lembre-se que o sucesso do seu negócio depende diretamente da conservação de um fluxo de caixa saudável.

Veja também: 

Billomat folgen: